Acordes de violão
Compartilhe!

Como tocar sem ler a letra da música com a cifra

Tocar sem ler cifra imagem

 

Uma das dificuldades pelas quais todos passamos é lembrar das letras e acordes das músicas para tocar sem ler. A tal famigerada pasta de músicas, né?

Quer saber o que me ajudou a memorizar músicas? Ser relaxado. Verdade. eu tinha inveja daqueles caras que tinham pastas organizadíssimas, lotadas de músicas com as cifras e tal. Eu sempre começava a fazer uma pasta e largava. Ali estava “minha pasta”: 5 músicas. Horrível, né?

Vai daí que eu era obrigado a tocar sem ler. Isso, sem querer, ajudou.

Mas… é melhor ter um arquivo. Uma pasta que seja, com as letras impressas, ou pelo menos uma pasta virtual em seu computador. Ou no celular, melhor ainda.

Mas antes de fazer sua pasta, verifique bem as músicas, quanto a erros na letra ou acordes. Veja se a tonalidade está de acordo com a sua voz, etc. Ou seja, tenha certeza que aquilo que lá está é utilizável.

A utilidade da sua pasta vai além de tocar as músicas. Lembrar das músicas que você sabe tocar pode ser um problema. Quando você não toca frequentemente, é possível que você não se lembre de algumas músicas que você até toca de cor! É terrível. Consultando a pasta… pronto.

Como tocar sem precisar ler?

Pois é… mesmo tendo sua pasta, é bom você memorizar várias músicas, para não estar sempre dependendo de ler. Quando você está lendo, sua atenção está totalmente focada ali. Você não pode tirar os olhos da letra, por isso não pode olhar para as pessoas, interagir enquanto toca.

Sabe por que a maioria de nós não toca certas músicas de cor? É porque a gente “já sabe”. Você vai lá no site de cifras toca a música, vê que é fácil… Pronto. Já sabe. Dez minutos depois, não sabe mais a letra da segunda estrofe. Meia hora depois, esqueceu a introdução. No dia seguinte… babau. Não sabe mais nada.

Então, aqui vai a primeira e principal dica:

Treinar as músicas.

É isso. Mesmo que seja fácil, você precisa decorar a letra. E também os acordes. Mesmo que sejam apenas três acordes. Uma inversão de acordes no refrão… pronto. Já é uma sequência diferente.

Então… treinar e treinar. Tocar e cantar várias vezes a música. Isso é indispensável.

Como treinar

Divida as músicas em partes e treine cada uma delas separadamente. Por exemplo… a introdução, a primeira estrofe, depois a segunda estrofe, depois o refrão. Repita várias vezes cada parte. Você verá que após treinar bem cada parte, o todo fica mais fácil.

Gravação

Hoje em dia é muito fácil gravar o que você está tocando. Com o celular, principalmente. Então, quando a música já estiver saindo bem, grave. E carregue com você. Assim você pode ir ouvindo quando tiver tempo livre. E isso vai ajudando a memorizar a letra e a melodia.

Faça um arquivo de anotações

Você tem em seu celular algum tipo de editor de texto. Você pode, por exemplo, fazer uma anotação para cada música, para consultar quando necessário. Algo assim:

Música: Não me lembro de nada

Tonalidade: C 

Acordes: C, F, G7, Am

Início: Minha memória é tão fraquinha… 

Você pode anotar o que lhe for conveniente. São pistas, para você se lembrar da música. Eu brinquei aí com uma música inventada… não ligue… só pra descontrair.

Crie um repertório fixo

Isso ajuda bastante. Selecione algumas músicas, umas dez no início. Depois vá acrescentando. E crie um repertório com uma sequência fixa.

Quer ver um exemplo? Você talvez tenha um pendrive com um bocado de músicas. Quando você escuta sempre as mesmas músicas, naquela sequência, o que acontece? Com o tempo, você já sabe qual música vem a seguir, é ou não é? A mesma coisa vai acontecer com seu repertório.

Se você chegar a umas vinte músicas ou mais, já terá uma boa parte do tempo que irá tocar – por exemplo – numa festa.

Uma dica: procure escolher músicas parecidas. Mesmo estilo, etc…

Músicas com os mesmos acordes

Para mim acontece sempre… Estou numa reunião com amigos, festa e começo a tocar. Muitas vezes enquanto estou tocando, me lembro de outra música porque os acordes são iguais ou pelo menos parecidos.

Então… use isso a seu favor. Verifique entre as músicas que você toca aquelas que tem acordes e sequências parecidas ou até mesmo iguais. Treine estas músicas em sequência. Sua memória agradecerá!

 

Treine músicas da mesma banda/artista

Isso também ajuda muito. Se você costuma tocar várias músicas de um mesmo artista, treine estas músicas juntas. Assim… uma vai “chamando” a outra.

Potpourri

Esse nome esquisito aí serve para dar nome a um treco que se fazia muito antigamente. Tocar trechos de várias músicas em seguida, como se fosse uma música só.

Normalmente se fazia com músicas do mesmo artista ou banda. Ou com músicas do mesmo gênero, com a mesma batida, levada.

Você pode fazer um “ajuntamento” assim também. O que se faz é escolher músicas que se possa tocar na mesma tonalidade, usando os mesmos acordes ou com poucas variações.

É ótimo, por exemplo, para músicas mais antigas. Você pode relembrar 6, 7 músicas num só bloco.

Conclusão

É… dá trabalho… mas compensa. Querer tocar por aí sem preparo… é querer quebrar a cara. O “segredo” é este: preparar-se. Você tem idéia de quantas horas uma banda ou um cantor dedicam a ensaios? Muitas horas, acredite. Muitas mesmo. E olhe que cantores profissionais ainda levam uma grande vantagem sobre a gente, meros “tocadores de violão”… Eles têm um repertório limitado. Um certo número de músicas que precisam decorar par aum show, por exemplo… Já nós… vixi! Estilos, ritmos, harmonia, cantores e bandas diferentes, associados a um montãããoooo de músicas… Sem treino… não dá.

Ah… pra finalizar… Depois que você tiver um bom repertório, tocado de cor, sem ler nada, não tenha medo de dizer “não sei”. É muito comum as pessoas pedirem pra tocar isso ou aquilo. Se você não souber de jeito nenhum e nem estiver afim de tocar… diga não. É melhor do que ficar sofrendo e às vezes até passando vergonha. Ou, como eu recentemente presenciei, dois caras ficarem meia hora ensaiando uma desgranha de música que não sai de jeito nenhum, enquanto os amigos vão se irritando e se desinteressando. Não faça isso. Toque as músicas que você sabe de cor, toque as que precise ler porque ainda não decorou e fique por aí.

Eu morei seis anos no interior do Mato Grosso. E fatalmente acabei tocando aqui e ali. Não havia sequer um lugar em que eu tocasse que alguém não pedisse pra tocar Tião Carreiro e Pardinho. E não sabia tocar e ainda não sei. E acho que nunca vou saber. Não é minha praia. Aliás, sei uma só: “Couro de boi”.

Vai daí que eu era obrigado a ouvir coisas assim: “Mas óia só… o sujeito diz que toca violão e num sabe Tião Carreiro…”… Os caras achavam que todo mundo tinha que saber aquilo. Eu nunca me deixei intimidar. Até cheguei a convidar pessoas para se retirarem, se não estavam gostando. Meio arriscado naquelas paragens… sempre tem alguém com um trezoitão na cintura, hehehe! Mas sempre me dei bem… as pessoas acabam respeitando quem impõe respeito. E muitos acabam até defendendo a gente.

Então… chega de lero-lero… É isso aí. Espero ter ajudado um pouco…

 

 

 

 

Share Button

Leave a Comment:

Add Your Reply